Busca Buscar

Perguntas frequentes

O QUE É A KLABIN?

A Klabin é uma empresa brasileira, maior produtora e exportadora de papéis para embalagem do país, líder na produção de papéis e cartões para embalagens, embalagens de papelão ondulado e sacos industriais. Com 25 unidades industriais — 24 no Brasil e uma na Argentina — a Klabin foi fundada em 1899.

QUAL É A HISTÓRIA DA KLABIN S.A?

Nossa história iniciou-se com a chegada de duas famílias de imigrantes ao Brasil: Klabin e Lafer. Começaram em uma oficina de fabricação e importadora de artigos de escritórios e tipografia. Em 1902, expandiram seus negócios e arrendaram sua primeira fábrica de papel – a Fábrica de Papel Paulista. Em 1909, constituíram sua primeira fábrica – a Companhia Fabricadora de Papel – que, já na década de 1920, era uma das maiores fabricantes do setor em solo brasileiro. Desde então, não paramos de crescer até nos tornarmos a empresa líder papéis e cartões para embalagens, embalagens de papelão ondulado e sacos industriais. Para saber mais sobre nossa história, acesse a aba Memória Klabin em nosso site.

QUAIS SÃO AS ÁREAS DE NEGÓCIO DA KLABIN S.A?

Florestal

Produção de matéria-prima para as outras áreas de negócio, celulose e comercialização de toras de madeira para serrarias e laminadoras.

Papéis

Produção de papelcartão, papel kraft e papéis reciclados para empresas de embalagens.

Celulose

Celulose de fibra longa, de fibra curta e celulose fluff.

Papel Ondulado e Sacos Industriais

Conversão de papel para o desenvolvimento de qualquer tipo de embalagem, com aplicações em setores como alimentos, bebidas e hortifrúti, além de sacos industriais, atendendo segmentos como construção civil, alimentação animal, entre outros.

QUAIS SÃO OS PRODUTOS DA KLABIN?

Florestal

Toras de pínus e eucalipto originadas em florestas plantadas e certificadas, que seguem rigoroso plano de manejo, com certificação FSC® (C001941) para atenderem à demanda de matéria-prima para nossas fábricas. O excedente é fornecido ao mercado, sendo usado por indústrias moveleiras, construção civil e serrarias.

Papéis

  • Papelcartão — trata-se de um papel formado por três camadas, que podem ser de fibra longa, curta e/ou reciclada, conforme a necessidade do cliente. Os tipos de papelcartão fabricados pela Klabin são:

    – Liquid Packaging Board (LPB) — embalagens para produtos líquidos, como leite e sucos;

    – Carrier Board (CB) — embalagens de alta resistência, como six pack de cervejas;

    – Folding Box Board (FBB) — embalagens de média resistência, como caixas de alimentos congelados e sabão em pó.

  • Papel reciclado — usado na própria produção de embalagens de papelão ondulado e também comercializado para outras empresas de embalagens. Cerca de 15% da matéria-prima é proveniente das unidades de conversão de embalagens de papelão ondulado e o restante é adquirido de aparistas. A fábrica de Piracicaba possui a maior máquina de papel reciclado do Brasil, com capacidade de produção de 240 toneladas/dia.
  • Kraftliner — usa 100% de fibras virgens de pinus e eucalipto, um mix que confere resistência, ótima printabilidade, possibilidade de diferentes aplicações e alta performance nos mais variados equipamentos industriais, como onduladeiras e impressoras.
  • Sack Kraft — usa 100% de fibras virgens de pinus proporcionando alta resistência ao produto. Ideal para a fabricação de sacos industriais.

Papel ondulado e Sacos Industriais

  • Papelão ondulado — composto por kraftliner e papel reciclado, é desenvolvido pela Klabin para ser utilizados em qualquer tipo de embalagem, de acordo com as especificações do cliente, com aplicações em vários segmentos como alimentos, bebidas, cosméticos, eletroeletrônicos, higiene e limpeza, hortifrutigranjeiros e flores, materiais elétricos, químicos e derivados, vestuário e calçados, vidros e cerâmicas.
  • Sacos Industriais — compostos de sack kraft, são produzidos para abastecer a indústria da construção civil, alimentos, produtos químicos, agronegócio, alimentação animal, entre outros.

Celulose

  • Fibra longa
  • Fibra curta
  • Fluff
QUAL É A CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DA KLABIN?
ÁREA TOTAL MIL HECTARES
Área Plantada 266
Pinus 158
Eucalipto 108
Floresta Nativa 298
CAPACIDADE TOTAL MIL TONELADAS
Cartões 750
Kraftliner 800
Sack Kraft 200
Papel Reciclado 400
CAPACIDADE TOTAL MIL TONELADAS
Papelão Ondulado 1.050
Sacos Industriais 185
CAPACIDADE TOTAL MIL TONELADAS
Celulose de fibra curta 1.150
Celulose de fibra longa / fluff 450
COMO INVESTIR EM AÇÕES DA KLABIN?

Para comprar ações é necessário o cadastro em alguma instituição financeira, seja um banco ou uma corretora, que dará o auxílio necessário na escolha de seus investimentos e fará a intermediação da negociação junto à Bolsa de Valores, através de um formulário de registro preenchido e aprovado pela corretora.

Antes de investir em ações, é importante aprimorar seus conhecimentos sobre o assunto para assegurar uma decisão consciente. O site da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) oferece um passo a passo para auxiliar novos investidores sobre como investir no mercado de capitais.

ONDE A KLABIN NEGOCIA SEUS PAPÉIS? QUAIS SÃO SUAS SIGLAS?

No Brasil, negociamos nossas ações na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), sendo elas:

  • Units: KLBN11
  • Preferenciais: KLBN4
  • Ordinárias: KLBN3

Nos Estados Unidos, listamos nossas ações pelo programa de ADR1, e os títulos são listados no OTC (over-the-counter), mercado de balcão, sob o código KLBAY.

ONDE A KLABIN VENDE SEUS PRODUTOS?

Vendemos nossos produtos no mercado interno e em mais de 80 países. Podemos optar pelo mercado que nos oferecer melhores condições comerciais, porém sempre mantendo o compromisso de abastecer o mercado interno.

QUAIS SÃO AS CARACTERÍSTICAS QUE TORNAM A KLABIN ÚNICA NO MERCADO?

Possuímos uma área total de 542 mil hectares divididos em: 294 mil hectares de matas nativas preservadas e 248 mil hectares plantados com pinus e eucalipto, no Sul do Brasil. Nesta região, as condições do solo e temperatura são ideais para o desenvolvimento e maturação de pinus (14 anos) e eucaliptos (7 anos).

Essa base florestal nos permite produzir celulose de fibra longa e celulose de fibra curta, e adequar o mix entre as duas fibras conforme a especificidade dos diferentes tipos de papéis fabricados.

Além disso, buscamos sempre modernizar nossas fábricas e desenvolver novas tecnologias que diminuam seus custos e otimizem processos.

Com o Projeto Puma, passamos a ser a única empresa brasileira a produzir os três tipos de fibras de celulose: curta e longa (parte convertida em fluff) por meio de uma excelente logística entre floresta, fábricas e porto.

COMO A KLABIN PRESERVA O MEIO AMBIENTE?

Possuímos uma área de 542 mil hectares, sendo 294 mil hectares de matas nativas preservadas e 248 mil hectares plantados com pinus e eucalipto, além de ser a pioneira na adoção do manejo florestal em forma de mosaico — sistema que mescla florestas plantadas de pinus e eucalipto e matas nativas preservadas.

Fomos a primeira no setor de celulose e papel no Hemisfério Sul a obter, em 1998, a certificação FSC® (C001941) – Forest Stewardship Council®, que atesta uma gestão que conserva os recursos naturais, proporciona condições justas de trabalho e estimula boas relações com a comunidade.

Contamos ainda com programas que buscam ampliar e diversificar a renda nas comunidades em que atuamos, a partir da formação de florestas plantadas em propriedades rurais. A atividade auxilia na fixação dos agricultores na terra, incentiva a adoção de boas práticas ambientais, sociais e de cultivo e a gestão sustentável das propriedades. Já foram beneficiados 19 mil produtores rurais e distribuídas mais de 160 milhões de mudas.

Desde 2014, integramos o Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa (ISE) e, em 2020, também passamos a figurar no Índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI na sigla em inglês), nas carteiras de Índice Mundial e Índice de Mercados Emergentes.

ONDE A KLABIN POSSUI OPERAÇÕES?

Possuímos operações no Brasil (24 fábricas) e na Argentina (1 fábrica). No Brasil, há unidades de produção nos estados de São Paulo (Angatuba, Jundiaí, Piracicaba, Paulínia, Suzano, Franco da Rocha), Minas Gerais (Betim), Goiás (Rio Verde), Santa Catarina (Correia Pinto, Itajaí, Lajes e Otacílio Costa), Paraná (Monte Alegre, Ortigueira e Rio Negro), Rio Grande do Sul (São Leopoldo), Bahia (Feira de Santana), Pernambuco (Goiana), Amazonas (Manaus) e Ceará (Horizonte). Há escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Ceará, Bahia, Minas Gerais, além de Estados Unidos (Miami) e Áustria (Vienna).

O QUE É O PROJETO PUMA II?

O Projeto Puma II é a expansão da Unidade Puma e constitui o maior investimento da nossa história. O complexo industrial, localizado em Ortigueira, no Paraná, terá duas etapas de expansão até 2023, contando com a construção de duas inovadoras máquinas de papel. O projeto fará da Klabin a primeira empresa do mundo a produzir o papel Eukaliner, do qual já possui a patente. Junto ao White Top Kraftliner, os papéis exigem menos gasto energético para serem produzidos e possuem resultados até 20% superiores em relação aos atuais produtos do mercado.

QUAL A DIFERENÇA ENTRE CELULOSE DE FIBRA LONGA, FIBRA CURTA E FLUFF?

De modo geral, a diferença está nas propriedades de cada fibra. A fibra longa (softwood) é a celulose originária dos pinus (gimnosperma), cujo comprimento varia de 2 e 5 milímetros. A fibra curta (hardwood) é derivada do eucalipto (angiosperma) e possui em média 0,5 a 2 milímetros de comprimento. A celulose de fibra longa possui maior resistência mecânica. A celulose de fibra curta possui maior homogeneidade, absorção de calor e opacidade.

A celulose fluff é produzida a partir da fibra longa do pinus. Possui características únicas de maciez. Antes somente importada, agora ela é produzida em solo nacional, fruto do nosso pioneirismo.

Produzimos ambos os tipos de celulose, de forma que podemos aproveitar as características das duas fibras e assim aprimorar nossos produtos.

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS USOS DE CADA TIPO DE FIBRA?

A fibra curta, por suas características de absorção, é utilizada para produção de papéis de escrever e imprimir e da categoria de sanitários/tissue (papel higiênico, guardanapos, lenços, entre outros).

A fibra longa, por sua maior resistência, é utilizada em camadas internas do papelcartão e na produção de embalagens, como papelão. Somos especialistas na produção deste último, com uma ampla gama de clientes industriais. A celulose fluff é amplamente utilizada no mercado de fraldas e absorventes de alta qualidade.

QUAL A DIFERENÇA ENTRE CELULOSE INTEGRADA E DE MERCADO?

A celulose é dita integrada quando, depois de fabricada, é destinada diretamente a uma planta anexa a de fabricação, originando produtos a serem comercializados. Um exemplo é produzir a celulose de fibra curta e destiná-la a uma planta anexa que produz papelcartão.

A celulose definida como de mercado é aquela destinada à comercialização. Um exemplo é a parte da produção de celulose da Unidade Puma, vendida a clientes externos.

COMO A CELULOSE É FABRICADA? O QUE É O PROCESSO "KRAFT"?

Existem dois principais tipos de fabricação: química e mecânica. A química usa apenas reagentes químicos e calor para dissolver as ligações da madeira. A segunda usa a energia mecânica para quebrar e arrancar as fibras. O processo kraft é um dos principais do primeiro tipo. Seu destaque é a produção de celulose de resistência mais elevada, grande flexibilidade e eficiente sistema de recuperação de reagentes e de produção de energia.

QUAIS SÃO AS VARIÁVEIS QUE AFETAM O SETOR?

São inúmeras, mas as principais são preço da celulose, mudanças regulatórias, interrupção/falhas na produção, questões trabalhistas, mercado de câmbio, situação econômica nacional e global e oferta e demanda de papel e celulose.

QUAL É A IMPORTÂNCIA DA CHINA PARA O SETOR?

A China é um país muito mais consumidor do que produtor. Seu consumo de papel corresponde a 30% do consumo mundial e o país importa muita celulose para conversão em embalagens. Sua matéria-prima principal é papel reciclado, que é transformado em embalagens para indústrias de exportação, ao contrário do Brasil, onde a matéria-prima predominante é a celulose de fibra virgem. Essas diferenças de insumo implicam produções distintas, já que usamos a fibra virgem na produção de embalagens para alimentos e bebidas.

COMO O MERCADO DE CÂMBIO INTERFERE NO SETOR?

Boa parte das empresas brasileiras do setor exporta seus produtos e possui linhas de negócios em países estrangeiros. Assim, oscilações da moeda brasileira em relação ao euro e, principalmente, ao dólar possuem efeito direto no valor das ações dessas empresas, pois podem significar uma maior ou menor receita de exportação.

QUAIS AS DIFERENÇAS ENTRE AS AÇÕES ORDINÁRIAS, PREFERENCIAIS E UNITS DA KLABIN S.A.?

As ações ordinárias diferem-se por conferirem direito de voto nas deliberações das Assembleias Gerais, observadas as restrições legais. Já os possuidores de ações preferenciais terão os direitos de prioridade no reembolso, em caso de liquidação da companhia e de voto restrito, nas hipóteses previstas no Artigo 15 do Estatuto Social.

A todas as ações preferenciais é conferido o direito de voto restrito no caso de transformação, incorporação, fusão ou cisão da companhia, de aprovação de contratos entre a companhia e o seu controlador ou outras sociedades, desde que sejam matéria de assembleia, de avaliação de bens que concorram para aumento de capital e de escolha de empresa especializada para determinação do valor econômico da companhia.
As Units são ativos compostos por mais de uma classe de valores mobiliários negociados em conjunto. São nossos ativos com maior liquidez no mercado de ações. Cada uma delas é composta por 1 ação ordinária e 4 ações preferenciais. Caso tenha mais dúvidas, confira o Estatuto Social

O QUE É ADR E COMO É NEGOCIADA?

ADR (American Depositary Receipts) é um certificado de depósito emitido por bancos norte-americanos, representativos de ações de empresas sediadas fora dos Estados Unidos, facilitando, dessa forma, o investimento estrangeiro na Klabin S.A. O preço de uma ADR costuma ser próximo ao preço da ação de seu mercado de origem, ajustado pela proporção entre ADR e ação original.

Cada ADR corresponde a 2 Units da Klabin (1 ADR = 2 KLBN11).

ONDE POSSO OBTER INFORMAÇÕES SOBRE MINHAS AÇÕES E ADRs DA KLABIN?

Para mais informações sobre suas ações, entre em contato com o banco de custódia.

Banco Itaú

Av. Engenheiro Armando de Arruda Pereira, 707 — 9° andar
Torre Eudoro Villela 04344-902 — São Paulo (SP)

Tel: +55 11 3003-9285 (Capitais e Regiões Metropolitanas) / +55 0800 7209285 (demais localidades)

Para mais informações sobre suas ADRs, entre em contato com o banco depositário.

BNY Mellon

Dos Estados Unidos chamar 1-888-BNY-ADRS (1-888-269-2377)

Fora dos Estados Unidos chamar +1 201-680-6825

ONDE POSSO CONSEGUIR O HISTÓRICO DE PREÇOS DE AÇÕES?

Clique aqui para visualizar o histórico de preços de KLBN11, KLBN4, KLBN3 e KLBAY no nosso gráfico interativo.

O QUE É NÍVEL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA? EM QUAL NÍVEL A KLABIN SE ENCONTRA?

A Governança Corporativa pode ser entendida como um conjunto de regras e boas práticas empresariais que alinham os objetivos dos administradores da companhia e os interesses dos investidores. Permite uma melhor administração e o monitoramento da direção executiva da empresa.

A Bolsa de Valores de São Paulo (B3) criou níveis para empresas que adotam essas práticas. Dependendo do grau de compromisso, a empresa é listada como Nível 1, 2 ou Novo Mercado. O Nível 1 é um conjunto mais restrito de práticas a obedecer e Novo Mercado é o conjunto mais amplo possível de práticas adotadas.

Desde 9 de janeiro de 2014, integramos o Nível 2 de Governança Corporativa da B3.
Para mais informações sobre os diferenciais de integrar o nível 2 de Governança Corporativa acesse o site da B3.

O QUE É TAG ALONG? AS AÇÕES DA KLABIN POSSUEM ESTE DIREITO?

O direito de tag along garante que, no caso de venda de controle da empresa, o adquirente deve realizar uma oferta pública de compra de ações não só aos acionistas controladores, mas também aos acionistas minoritários. Estes últimos têm direito a receber um mínimo de 80% do valor pago nas ações dos controladores, com esta porcentagem variando com o nível de Governança Corporativa da empresa em questão.

Como pertencente ao nível 2 de Governança Corporativa da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), garantimos o direito de pagamento das ações dos minoritários (tag along) de 100% do valor pago às ações dos controladores.

COM QUE FREQUÊNCIA A KLABIN DIVULGA SUAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS? QUANDO SÃO REALIZADAS REUNIÕES PÚBLICAS? ONDE POSSO ACOMPANHAR AS DATAS?

As demonstrações financeiras são subsídios para análise do passado e da situação atual de uma companhia. Fornecem perspectivas de curto, médio e longo prazos.

Clique aqui para consultar nossas demonstrações financeiras trimestrais.

Nossa reunião pública é realizada anualmente e conta com a presença de analistas e outros interessados. As datas de divulgação dos relatórios e da reunião pública pode ser acessada aqui.

QUAL A POLÍTICA DE DIVIDENDOS DA KLABIN? ONDE POSSO ENCONTRAR AS DATAS DOS ÚLTIMOS PAGAMENTOS?

Atribui-se aos acionistas, em cada exercício, um dividendo de no mínimo 25% (vinte e cinco por cento) sobre o Lucro Líquido ajustado na forma da lei. No entanto, é uma prática da nossa empresa, muitas vezes, pagar dividendos em forma de 20% do EBITDA ajustado. Nossas diferentes classes de ações possuem os mesmos direitos econômicos e, desta forma, não há diferença entre o valor pago de dividendos entre elas.

Clique aqui para conferir as datas dos últimos pagamentos de dividendos.

O QUE É ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA (AGO)?

A Assembleia Geral Ordinária (AGO) é um evento convocado pela diretoria de uma empresa para examinar, discutir e votar demonstrações financeiras, assim como deliberar sobre a destinação do Lucro Líquido do exercício e dividendos. Deve ser realizada quatro meses após o término do exercício social e divulgada, no mínimo, três vezes nos meios de comunicação oficiais da companhia.

O QUE SIGNIFICA DATA "EX"?

Ex-dividendos é a data em que as ações passam a ser negociadas sem direito aos dividendos.

O QUE SIGNIFICA FAZER PARTE DO ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE DA B3 (ISE)?

Passamos a integrar o índice ISE em 2014, o que demonstra ainda mais nosso compromisso com um desenvolvimento sustentável, que busque crescimento integrado e responsável, que una rentabilidade, desenvolvimento social e compromisso ambiental.

Conforme definição da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), “o ISE é uma ferramenta para análise comparativa da performance das empresas listadas na Bolsa de Valores sob o aspecto da sustentabilidade corporativa, baseada em eficiência econômica, equilíbrio ambiental, justiça social e governança corporativa. Também amplia o entendimento sobre empresas e grupos comprometidos com a sustentabilidade, diferenciando-os em termos de qualidade, nível de compromisso com o desenvolvimento sustentável, equidade, transparência e prestação de contas, natureza do produto, além do desempenho empresarial nas dimensões econômico-financeira, social, ambiental e de mudanças climática”.

Essa conquista reforça o compromisso histórico da nossa companhia com o desenvolvimento sustentável. Para nós, a sustentabilidade está presente em toda a cadeia de valor, desde a nossa base florestal diferenciada até o relacionamento com os clientes, fornecedores, investidores e comunidades das regiões onde atuamos. Também somos pioneiros nas certificações do setor de celulose e papel e no manejo da biodiversidade. Buscamos, com mais este reconhecimento do mercado, reforçar nossa visão de cuidado e respeito ao planeta.

O QUE SIGNIFICA FIGURAR NO ÍNDICE DOW JONES DE SUSTENTABILIDADE?

Passamos a integrar o Índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI na sigla em inglês) em duas carteiras: Índice Mundial e Índice de Mercados Emergentes. O DJSI destaca as empresas líderes mundiais em desempenho econômico, práticas de governança e atuação socioambiental.

A Klabin é a única empresa brasileira do setor de papel e celulose presente no Índice Mundial de Sustentabilidade do Dow Jones, fato que eleva a visibilidade da atuação do setor de florestas cultivadas do país.

QUAL É A AUDITORIA INDEPENDENTE CONTRATADA PELA KLABIN?

ERNST & YOUNG Auditores Independentes S.S.

QUAIS SÃO AS NORMAS VIGENTES DE CONTABILIDADE? QUAL É A PRÁTICA UTILIZADA PELA KLABIN?

As normas de Contabilidade mais utilizadas no Brasil são International Financial Reporting Standards (IFRS), Generally Accepted Accounting Principles in the United States (US GAAP) e Normas Brasileiras de Contabilidade (BR GAAP).

Nossas demonstrações contábeis consolidadas são preparadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, que compreendem as normas da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e os Pronunciamentos, Orientações e Interpretações emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e estão em conformidade com as normas internacionais de contabilidade (International Financial Reporting Standard — IFRS), emitidas pelo International Accounting Standard Board (IASB).

O QUE É O EBITDA? POR QUE A KLABIN UTILIZA ESTE ÍNDICE?

O EBITDA (Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization) ou LAJIDA (Lucro Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização) é um indicador financeiro que avalia o quanto uma empresa gera de recursos somente com sua operação.

Corresponde ao lucro líquido antes do imposto de renda e da contribuição social, das despesas de depreciação e amortização e do resultado financeiro. O EBITDA não é medida de desempenho financeiro segundo as práticas contábeis adotadas no Brasil, IFRS ou US GAAP, tampouco deve ser considerado isoladamente ou como uma alternativa ao lucro líquido, como medida de desempenho operacional ou alternativa aos fluxos de caixa operacionais, ou ainda, como medida de liquidez.

Outras empresas podem calcular o EBITDA de maneira diferente da que fazemos. O EBITDA apresenta várias limitações que prejudicam sua utilização como medida da lucratividade, em razão de não considerar determinados custos decorrentes de nossos negócios e que poderiam afetar, de maneira significativa, os lucros, como despesas financeiras, tributos, depreciação, despesas de capital e outros encargos relacionados.

O QUE É EBIT? COMO SE RELACIONA COM O EBITDA? O QUE É MARGEM EBITDA?

O EBIT (Earnings Before Interest and Taxes) é outro indicador financeiro que mede o resultado da operação de uma empresa. É a diferença entre receitas e despesas operacionais. Após o cálculo do EBITDA, subtrai-se despesas de depreciação e amortização para obtermos o EBIT. A Margem EBITDA é a razão entre EBITDA e Receita Líquida.

O QUE É ATIVO BIOLÓGICO? QUAL É A SUA RELAÇÃO COM O EBITDA AJUSTADO?

Conforme pronunciamento do Comitê de Pronunciamentos Contábeis 29 (CPC 29), um ativo biológico é um animal ou planta vivos. Ele deve ser reconhecido nos demonstrativos de uma empresa quando for de controle da companhia por conta de eventos passados, comprovado que a companhia usufruirá de benefícios econômicos futuros associados com este ativo ou quando o valor justo/custo puder ser mensurado corretamente.

Como parte de nossos negócios, possuímos uma vasta área de florestas que são contabilizadas como ativos biológicos. As variações no valor justo de nossas florestas (ativos biológicos), muitas vezes, proporcionam grandes mudanças no resultado líquido do período. Como forma de considerar essas variações, outros negócios em que é controladora e participação no Vale do Corisco, nós e outras empresas do setor calculamos o EBITDA Ajustado, que refletiria mais fielmente a situação das companhias.

O QUE É PREÇO-LISTA?

O preço-lista é um preço de referência para commodities em determinadas regiões mundiais. Ele varia de acordo com a oferta e demanda da região. É usado como base para negociações de preço.

O QUE É CUSTO CAIXA DE PRODUÇÃO?

Para o setor de papel e celulose, a análise de custos por meio do Custo da Mercadoria Vendida (CMV) passou a não mais fazer sentido, dado que ela abrange custos que não representam desembolsos de caixa, como depreciações e amortizações dos meios de produção. Assim, denomina-se custo caixa de produção o custo de fabricação composto por todos os custos que representem desembolso de caixa. Esse método reconhece todos os custos diretos envolvidos desde a fabricação até a saída de seus portões. É o quanto a empresa “tira de dinheiro do bolso” para produzir.

O QUE É RECEITA OPERACIONAL BRUTA?

Representa todos os produtos vendidos durante um determinado período, antes dos descontos aos clientes, devoluções ou impostos, ou outros ajustes.

O QUE SÃO CUSTOS DAS MERCADORIAS VENDIDAS (CMV)?

São os custos de compra de matérias-primas e dos serviços, incluindo mão de obra direta e indireta, paradas para manutenção, madeira, insumos, combustíveis, depreciação e exaustão, entre outros custos.

O QUE É LUCRO BRUTO?

O Lucro Bruto é a subtração entre todas as formas de faturamento de uma empresa e o Custo das Mercadorias Vendidas (CMV).

O QUE É LUCRO / PREJUÍZO LÍQUIDO?

Representa o lucro restante depois que todo o custo e as despesas (incluindo impostos) foram deduzidos da receita total em um determinado período. Se o resultado é positivo, chamamos de lucro, se é negativo, de prejuízo.

O QUE SÃO DESPESAS COM VENDAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS?

Essas despesas incluem tipicamente o salário dos empregados relacionados a vendas e administração da companhia, serviços de terceiros, logística, comunicação, entre outras.

O QUE É CAPITAL DE GIRO?

A conta de capital de giro, ao contrário da sabedoria popular, não é o quanto uma empresa precisa para seu funcionamento. É, na verdade, uma composição de três contas: Fornecedores (o quanto meus fornecedores me financiam), Contas a Receber (o quanto financio meus clientes) e Estoques. A primeira conta impacta positivamente e as duas últimas, negativamente o capital de giro.

O QUE É O CUSTO PONDERADO MÉDIO DO CAPITAL (WACC)?

O Custo Ponderado Médio do Capital é a taxa mínima requerida por investidores para uma companhia realizar um investimento. É calculada como uma média ponderada da participação relativa de terceiros e do capital próprio.

O QUE SÃO DESPESAS / RECEITAS FINANCEIRAS?

Essa conta inclui receitas e despesas com juros relacionadas a transações financeiras, captação de novas dívidas e amortizações de dívidas passadas.